Vitamina C no Esporte | Blog Integral

Vitamina C no Esporte

A vitamina C é um micronutriente essencial com várias funções biológicas importantes. Além de ser considerado um potente antioxidante que elimina espécies reativas de oxigênio e nitrogênio. Dentre outras funções, a vitamina C reduz os sintomas das gripes e resfriados, acelerando o processo de recuperação e tem um efeito anticatabólico. Esse efeito tem importância fundamental para os praticantes de atividade física.

A prática regular de atividade física associada a uma dieta balanceada pode ser importante fator na promoção da saúde. No entanto, uma rotina de exercícios em alta intensidade ou exaustivos podem aumentar as chances de lesões, promoverem fadiga crônica e overtraining, parcialmente em razão da elevada síntese de espécies reativas de oxigênio.

Vitamina C no Esporte | Blog Integral

A busca pela melhora do desempenho em atletas e desportistas vem sendo discutida a fim de encontrar nutrientes que otimizem os resultados sem provocar toxicidade ao usuário.

A vitamina C é um micronutriente essencial e possui outras funções biológicas importantes, sendo cofator para a biossíntese do colágeno, carnitina, neurotransmissores e também de hormônios peptídicos.

Esse potente micronutriente também é um agente redutor forte, devido à sua facilidade em doar elétrons, com propriedades antioxidantes importantes. Ela pode inativar uma grande variedade de espécies reativas de minimizar os danos para os tecidos do corpo. Dentre outros efeitos, reduz os sintomas das gripes e resfriados, acelerando o processo de recuperação e tem um efeito anticatabólico. Esse efeito anticatabólico tem importância fundamental para os praticantes de musculação.

www.integralmedica.com.br/?utm_source=Blog&utm_medium=banner&utm_campaign=banner_integral_generico&utm_content=Banner-Integral-Generico

A vitamina C como antioxidante

O ácido ascórbico é considerado um potente antioxidante, que elimina espécies reativas de oxigênio e nitrogênio. Os antioxidantes são substâncias que contribuem para a redução dos efeitos do estresse e da falta de oxigênio provocadas pelo exercício, formando complexos que diminuem as reações produtoras de radicais livres

A vitamina C, também é conhecida para regenerar outros antioxidantes, tais como vitamina E, glutationa, de volta para o seu estado de redutor. Assim, ocorre a manutenção de uma rede equilibrada de antioxidantes

O exercício físico intenso e contínuo é acompanhado pela produção de radicais livres, podendo provocar danos musculares seguidos pelo processo inflamatório, restringindo a função muscular.

Em relação ao exercício agudo, tanto exercício aeróbio e anaeróbio podem resultar em produção aumentada de radicais livres. A produção de espécies reativas de oxigênio depende da carga (intensidade x duração) do exercício, podendo ser prejudiciais para o sistema imune.

Considerando-se que o ácido ascórbico participa como cofator na biossíntese de carnitina, hormônios esteróides e neurotransmissores, as necessidades desse nutriente estariam aumentadas entre pessoas engajadas em exercícios físicos intensos ou estresse frequente.

A suplementação de vitamina C

De acordo com as recomendações mais atuais, para garantir um suporte ideal de vitamina C, é aconselhável um consumo de 1 grama diária de suplementação de vitamina C, acompanhado por uma dieta rica em frutas e legumes.

REFERÊNCIAS

1- Alves, C.; Lima, R. V. B. Uso de suplementos alimentares por adolescentes. J Pediatr. Vol. 85. Núm. 4. p.287-294. 2009.

2- Carr, A. C.; e colaboradores. Human skeletal muscle ascorbate is highly responsive to changes in vitamin C intake and plasma concentrations. Am J Clin Nutr. Vol. 97. p.800- 807. 2013.

3- Cruzat, V. F.; Rogero, M. M.; Borges, M. C.; Tirapegui, J. Rev Bras Med Esporte. Vol. 13. Núm. 5. 2007.

4- Cerqueira, F. M.; e colaboradores. Antioxidantes dietéticos: controvérsias e perspectivas. Quim. Nova. Vol. 30. Núm. 2. p.441-449. 2007.

5- Deruelle, F.; Baron, B. Vitamin C: is supplementation necessary for optimal health? J Altern Complement Med. Vol. 4. Núm. 10. p.1291-1298. 2008.

6- Furlan, V. R.; Pastor-Valero, M. Development of a food frequency questionnaire to study diet and noncommunicable diseases in adult population. Rev. Saúde Publica. Vol. 38. Núm. 4. p.581- 584. 2004.

7- Gomes, E. C.; e colaboradores. Oxidants, Antioxidants, and the Beneficial Roles of Exercise-Induced Production of Reactive Species. Oxidative Medicine and Cellular Longevity. p.12. 2012.

8- Guimarães Neto, W. M. Musculação: anabolismo total: treinamento, nutrição, esteroides anabólicos e outros ergogênicos. 9ª edição. Phorte. p. 80. 2009.

9- Higashida, K.; Kim, S. H.; Higuchi, M.; Holloszy, J. O.; Han, D. H. Normal adaptations to exercise despite protection against oxidative stress. American Journal of Physiology Endocrinology and Metabolism. Vol. 301. Núm. 5. p.E779-E784. 2011.

10- Lira, F. A. S.; e colaboradores. Influência da vitamina C na modulação autonômica cardíaca no repouso e durante o exercício isométrico em crianças obesas. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Vol. 12. Núm. 3. p. 259-267. 2012

11- Michalis, G. Nikolaidis, Chad M. Kerksick, Manfred Lamprecht, Steven R. McAnulty. Does Vitamin C and E Supplementation Impair the Favorable Adaptations of Regular Exercise? Oxid Med Cell Longev. 2012.

12- Navas, F. J.; e colaboradores. Os radicais livres e o dano muscular produzido pelo exercício: papel dos antioxidantes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 6. Núm. 5. 2000.

13- Palmer, F. M.; Nieman. D. C.; Henson, D. A.; McAnulty, L.; Swick, N. S.; Utter, A. C.; e colaboradores. Influence of vitamin C supplementation on oxidative and salivary IgA changes following an ultramarathon. Eur J Appl Physiol. Vol. 89. p.100-107. 2003.

14- Paulsen, G.; e colaboradores. Vitamin C and E supplementation hampers cellular adaptation to endurance training in humans: a double-blind randomized controlled trial. The Journal of Physiology. The Physiological Society. 2014.

15- Rique, A. B.; e colaboradores. Nutrição e exercício na prevenção e controle das doenças cardiovasculares. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 8. Núm. 6. 2002.

16- Rietjens, e colaboradores. The pro-oxidant chemistry of the natural antioxidants vitamin C, vitamin E, carotenoids and flavonoids, Environmental Toxicology and Pharmacology. Vol. 11. Núm. 3-4. p.321-333. 2002.

17- Roberts, L. A.; Beattie, K.; Close, G. L.; Morton, J. P. Vitamin C consumption does not impair training-induced improvements in exercise performance. International Journal of Sports Physiology and Performance. Vol. 6. Núm. 1. p.58-69. 2011.

18- Ryan, M. J.; Dudash, H. J.; Docherty, M.; e colaboradores. Vitamin E and C supplementation reduces oxidative stress, improves antioxidant enzymes and positive muscle work in chronically loaded muscles of aged rats. Experimental Gerontology. Vol. 45. Núm. 11. p.882-895. 2010.

19- Theodorou, A. A.; Nikolaidis, M. G.; Paschalis, V.; Koutsias, S.; Panayiotou, G.; Fatouros, I. G.; Koutedakis, Y.; Jamurtas, A. Z. No effect of antioxidant supplementation on muscle performance and blood redox status adaptations to eccentric training. Am J Clin Nutr. Vol. 93. Núm. 6. p.1373-1383. 2011.

20- Thompson, D.; Williams, C.; McGregor, S.J.; Nicholas, C.W.; McArdle, F.; Jackson, M.J. Prolonged vitamin C supplementation and recovery from demanding exercise. Int J Sport Nutr Exerc Metab. Vol. 11. p.466-481. 2001.

Thompson, D.; Williams, C.; Garcia-Roves, P.; McGregor, S. J.; McArdle, F.; Jackson, M. J. Post-exercise vitamin C supplementation and recovery from demanding exercise. Eur J Appl Physiol. Vol. 89. 

Compartilhe esse Post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Rolar para cima