Conhecimento técnico e científico do universo fitness e bodybuilding.

Quando o objetivo é emagrecimento, o famoso dia do lixo pode ser um aliado em dietas prolongadas, especialmente nas dietas hipocalóricas. Esse dia do lixo na verdade consiste em um breve período de superalimentação (uma refeição ou até mesmo um dia inteiro), no qual a ingestão calórica é superior aos níveis de manutenção (dieta habitual).

Existe diferentes formas de se aumentar o aporte energético com essa(s) refeição “livre”, como aumentar a ingestão calórica através do consumo de carboidratos, de gorduras, ou de ambos.

É importante salientar que o dia do lixo é uma estratégia. Quando a pessoa começa a sua dieta e muda seus hábitos, há um tremendo choque de metabolismo gerando grandes perdas de peso. Com o passar do tempo é cada vez mais difícil perder peso, mesmo seguindo a dieta rígida, sendo que uma das possíveis causas dessa estagnação na perda de peso é da desregulação de um hormônio chamado leptina.

PARA QUE SERVE O DIA DO LIXO?

Um dos objetivos propostos com o dia do lixo é aumentar temporariamente a leptina em circulação e estimular a taxa metabólica de repouso, gasto energético e saciedade, já que durante a perda de gordura corporal através de dietas hipocalóricas, as células de gordura passam a produzir menos leptina. Assim, a leptina é uma das substâncias liberadas pelo adipócito, ou seja, diferentemente do que se acreditava no passado, o adipócito não é apenas uma célula armazenadora de energia. Existem evidências indicando que a leptina é altamente responsiva à superalimentação a curto prazo, está altamente correlacionada com a ingestão de carboidratos e calorias.

Muitos podem se queixar sobre estarem alguns quilos a mais no dia seguinte do dia do lixo, porém isso pode ser decorrente de uma retenção de líquidos e glicogênio ao qual seu corpo energizado irá queimar mais calorias do que você estará ingerindo nos dias seguintes.

Outro ponto interessante sobre o dia do lixo é na periodização do treinamento. Dietas hipocalóricas tendem a diminuir a capacidade do indivíduo de suportar altos volumes de treinamento. Sendo assim, refeições hipercalóricas feitas no dia anterior a um treino volumoso (como em um treino de pernas, por exemplo) podem auxiliar na performance desse treino, sem necessariamente causar acumulo de gorduras, já que, quanto mais intenso ou volumoso for o treino, maior será o EPOC (consumo excessivo de oxigênio após o exercício) e a taxa metabólica de repouso (para maiores informações ler o artigo PORQUE O TREINO AJUDA NA PERDA DE PESO).

REFERENCIAS

  1. FL Greenway. Physiological adaptations to weight loss and factors favouring weight regain. International Journal of Obesity (2015) 39, 1188–1196
  2. Trexler ET, Smith-Ryan AE, Norton LE. Metabolic adaptation to weight loss: Implications for the athlete. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2014;11(1):7.
  3. Foureaux G., Castro Pinto K M., Dâmaso A. Efeito do consumo excessivo de oxigênio após exercício e da taxa metabólica de repouso no gasto energético. Rev Bras Med Esporte _ Vol. 12, Nº 6 – Nov/Dez, 2006
  4. Dirlewanger M, di Vetta V, Guenat E, Battilana P, Seematter G, Schneiter P, Jequier E, Tappy L: Effects of short-term carbohydrate or fat overfeeding on energy expenditure and plasma leptin concentrations in healthy female subjects. Int J Obes Relat Metab Disord 2000, 24:1413–1418.
  5. Chin-Chance C, Polonsky KS, Schoeller DA: Twenty-four-hour leptin levels respond to cumulative short-term energy imbalance and predict subsequent intake. J Clin Endocrinol Metab 2000, 85:2685–2691.