Conhecimento técnico e científico do universo fitness e bodybuilding.

Um dos objetivos mais esperados por quem pratica musculação e deseja aumentar força e massa muscular magra são as microlesões, também conhecidas como dano muscular. São as microlesões que provocam a famosa Dor Muscular de Início Tardio (DMIT), aquela dor que aparece, em alguns casos, entre 24 e 72 horas após um exercício de força, principalmente nas ações excêntricas.

Aprendemos que se está doendo é por que está dando resultado, certo? Alguns autores citam que o dano muscular provocado pelo TF (treino de força) pode ser um importante estímulo para resposta hipertrófica (SCHOENFELD, 2012). Entretanto, o dano muscular tende a diminuir com a continuidade do treino de força, pois ocorre uma adaptação por parte do organismo, “protegendo” a musculatura desse dano muscular. Esse fenômeno é conhecido como Repeated Bout Effect, ou efeito da carga repetida (ECR).

O ECR é importante no planejamento esportivo e interpretação de resultados, pois interfere diretamente nas respostas enzimáticas e imunológicas (como a diminuição da enzima CK a longo prazo), na DMIT (que tende a diminuir a longo prazo), entre outras adaptações, como queda de performance, por exemplo. Algumas possíveis causas para esse fenômeno: maior recrutamento de fibras musculares e sincronização de unidades motoras, aumento do stiffness do músculo, aumento do número de sarcômeros em série e respostas inflamatórias em decorrência do dano muscular.

A principal implicação prática do ECR é a adaptação ao treinamento, ou seja, quanto mais treinado é o atleta, menos resposta fisiológica o treino provoca. Por exemplo, uma das frases mais comuns do fisiculturismo é o “no pain no gain”. Considerando o ECR, a cada treino feito nosso corpo se adapta ao estimulo, gerando menos dor muscular. Nesse sentido, é comum sentirmos maiores níveis de dor muscular logo quando somos iniciantes, ou quando trocamos a planilha de treinamento. E inversamente, quanto mais tempo de treino tivermos, ou mais tempo permanecemos com a mesma planilha, menores níveis de dor muscular tardia iremos sentir.

Parei de ter resultados no treino. Como melhorar isso?

Já sabemos então que um dos motivos para estagnação nos resultados é a adaptação que o nosso corpo sofre quando treinamos com mais frequencia.  Geralmente o que é feito para evitar essa adaptação é o aumento da carga, mas dados preliminares mostram que apenas aumentar a carga não é o suficiente para evitar o efeito da carga repetida. Nesse sentido, mudar exercícios, angulações, velocidade de contração, carga de treinamento, volume de treinamento, entre outras variáveis, é importante para evitar este problema.

Resumindo, se você quer evitar a a estagnação nos resultados, varie o seu treino. Procure um profissional qualificado que irá te ajudar a montar um treino de musculação sempre adaptado!

NOSAKA, K.; AOKI, M. S. Repeated bout effect: research update and future perspective. Brazilian Journal of Biomotricity, v. 5, n. 1, p. 5-15, 2011.
SCHOENFELD, B. J. Does exercise-induced muscle damage play a role in skeletal muscle hypertrophy? Journal of strength and conditioning research, v. 26, n. 5, p. 1441-1453,