Conhecimento técnico e científico do universo fitness e bodybuilding.

Bea et al (2010) monitoraram 122 mulheres pós-menopausa durante um período de 6 anos. As voluntárias foram divididas em 3 grupos: um grupo controle (que não treinou), um grupo que treinou o tempo todo, e outro gruo que ficou sem treinar durante um ano, mas depois voltou a treinar força.

As cargas de treino ficaram entre 70 e 80% de 1 RM, com a realização de 8 exercícios, duas vezes por semana. Em síntese, as pessoas que tiveram maior aumento de força foram as que melhor controlaram o peso, e mais preservaram massa muscular. Esse resultado é extremamente importante, principalmente devido à perda natural de força e massa muscular esperada nessa população.

SAIBA MAIS:
PROTOCOLOS PARA DEFINIÇÃO MUSCULAR: DIETA, ACOMPANHAMENTO MÉDICO E MULTIDISCIPLINAR
AS PRINCIPAIS ADAPTAÇÕES DE TREINAMENTO PARA MAXIMIZAR O EMAGRECIMENTO

Na discussão, os autores citam alguns estudos clássicos que demonstram a importância do treinamento de força no processo de emagrecimento, especialmente, quando comparado com o treinamento de endurance feito isoladamente, ou seja, não acompanhado de treinos de força. O principal ponto levantado pelos autores é que treinar endurance isoladamente pode proporcionar perda de peso, mas trazendo como consequência também a perda de massa magra e a diminuição da taxa metabólica de repouso.

Resumindo, utilizar exercícios com pesos, independentemente do treinamento aeróbio, ajuda, e muito, no processo de emagrecimento saudável. O mais preocupante é que, muitas vezes, pessoas com esse perfil chegam ao meu consultório relatando treinos de musculação feitos com baixa intensidade e, ainda por cima, associados com exercícios aeróbios de baixa intensidade e longa duração!

Após o término de alguma atividade física, o consumo de O2 pode não retornar aos valores de repouso imediatamente. Essa demanda energética durante o período de recuperação após o exercício é conhecida como consumo excessivo de oxigênio após o exercício (EPOC). Esse consumo é uma das variáveis que pode influenciar o processo de perda de peso, aumentando o gasto calórico total. Vale salientar que o EPOC representa apenas uma parte do processo de emagrecimento.

Mais uma vez, verificamos a importância de utilizar a estratégia de treino mais eficaz para cada objetivo, o que só pode ser feito por especialistas. Consulte sempre um profissional de educação física para avaliar seu caso individualmente.

Referência:
Bea JW., et al. Resistance Training Predicts Six-Year Body Composition Change in Postmenopausal Women. Med Sci Sports Exerc. 2010 July ; 42(7): 1286–1295.