Conhecimento técnico e científico do universo fitness e bodybuilding.

Os suplementos dietéticos chamados de “termogênicos” estão na lista dos mais usados pelas pessoas fisicamente ativas, nos quais as fórmulas contém vários ativos que possuem ação em conjunto, como por exemplo ervas diuréticas, extrato fitoterápicos com ação lipolítica e termogênica e a cafeína anidra como substância base.

A cafeína é um alcalóide pertencente ao grupo das metilxantinas (1,3,7-trimetilxantina). É uma substância lipossolúvel e aproximadamente 100% de sua ingestão oral é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal, atingindo seus níveis de pico no plasma, entre 30 e 120 minutos (SAWYNOK, 1993).

SAIBA MAIS:
CONHEÇA OS TERMOGÊNICOS DA INTEGRALMÉDICA
CONHEÇA OS TERMOGÊNICOS DA DARKNESS
A SUPLEMENTAÇÃO DE CAFEÍNA PODE MELHORAR O DESEMPENHO?

A cafeína afeta quase todos os sistemas do organismo, sendo que seus efeitos mais óbvios ocorrem no sistema nervoso central (SNC). Quando consumida em baixas dosagens (2mg/kg), a cafeína provoca aumento do estado de vigília, diminuição da sonolência, alívio da fadiga, aumento da respiração, aumento na liberação de catecolaminas, aumento da frequência cardíaca, aumento no metabolismo e diurese. Em altas dosagens (15mg/kg) causa nervosismo, insônia, tremores e desidratação (CONLEE, 1991).

Além destes efeitos, temos especialmente nos adipócitos (células que armazenam gorduras). A cafeína age no mecanismo intracelular da lipólise, pois com o seu uso existe uma inibição da enzima fosfodiesterase, aumentando a disponibilidade de um sinalizador chamado AMP-c, que ativa todo o processo para a hidrolise das gorduras estocadas como triacilglicerol para serem disponibilizadas como ácido graxo na corrente sanguínea e finalmente usada para gerar energia durante o exercício físico.

É importante salientar que a cafeína ajuda no processo, mas não é a responsável direta pelo emagrecimento. Ela ajuda na liberação da gordura dos estoques, mas para transformar essas gordura disponíveis em energia, temos o mecanismo chamado de beta-oxidação que acontece nas mitocôndrias, sendo dependente do exercício físico.

Desta forma, indivíduos com pouca capacidade física e obesos no início de um programa de exercício pode ter mínimos ou nenhum resultado dependendo exclusivamente da suplementação de cafeína. Outra questão envolvendo populações especiais é que a cafeína pode aumentar a pressão arterial, pelo efeito direto da adrenalina, ficando inviável seu uso em pacientes hipertensos (normalmente também obesos).

É importante também analisar o efeito da cafeína para pessoas com problemas gástricos, pois o uso da suplementação aumenta a produção de ácido clorídrico estomacal, podendo piorar os sintomas de uma gastrite. E por fim o horário de seu uso deve ser também levado em consideração, pois se ingerida em horários muito tarde pode atrapalhar a qualidade do sono, que sabemos ser importante para nossa recuperação.

Desta forma, o processo de emagrecimento inicialmente acontece com o ajuste da dieta e da prática dos exercícios físicos que já possuem efeitos visíveis E, após essa adaptação inicial pode ser considerado a suplementação de cafeína de 2-5mg/kg/dia (CLARK, 1997; ISSN, 2010).

Por todo o exposto acima, a forma mais eficaz de melhorar o processo de emagrecimento é procurar um treinador para aumentar o gasto calórico do exercício em conjunto com o nutricionista adequando a necessidade nutricional e prescrevendo os suplementos e termogênicos de forma adequada para cada indivíduo.

Referências:
1. SAWYNOK, J. e YAKSH, T.L. Caffeine as an analgesic adjuvant: a review of pharmacology and mecanisms of action. Pharmalogical Reviews. 1993; 45(1): 43-51.

2. CONLEE, R.K. Amphetamine, caffeine and cocaine. In: D.R. LAMB, M.H. WILLIAMS (Eds). Ergogenics: Enhancement of Performance in Exercise and Sport. New York, Benchmark Press, 1991 p. 285-310.

3. CLARK, N. Caffeine: a user’s guide. The Physician Sports Med. 1997; 25(11): 109-110.

4. Kreider RB1, Wilborn CD, Taylor L, Campbell B, Almada AL, Collins R, Cooke M, Earnest CP, Greenwood M, Kalman DS, Kerksick CM, Kleiner SM, Leutholtz B, Lopez H, Lowery LM, Mendel R, Smith A, Spano M, Wildman R, Willoughby DS, Ziegenfuss TN, Antonio J.ISSN exercise & sport nutrition review: research & recommendations. J Int Soc Sports Nutr. 2010.